A ONG ECOMOV realizou mais um mutirão de limpeza na praia do Costão, em Peruíbe/SP, neste domingo (08), juntamente com alguns voluntários da cidade. Desta vez, a ação foi direcionada para Praia do Costão, Praia do índio e Prainha.

Na ação, que faz parte de um trabalho de campo sobre microlixo e impactos ambientais, foram recolhidos mais de 300 quilos de materiais descartáveis, como plásticos, restos de redes, garrafas pet, entre outros.

Uma tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) foi encontrada morta graças à revoada de urubus que denunciou o local onde o bicho estava. De acordo com o site do Projeto Tamar, este tipo de tartaruga pesa – em média –  140 quilos e o seu status de conservação é considerado “em perigo”, no Brasil

ATENÇÃO: IMAGENS FORTES

Tartaruga encontrada morta na Prainha. Foto de Márcio Ribeiro

Detalhe da Tartaruga servindo de alimento para urubus. Foto: Márcio Ribeiro

ENFEITES DE NATAL

Perto dali também foram encontrados diversos lixos pequenos e, entre eles, bolinhas de natal. De acordo com o presidente da ONG, Rodrigo Azambuja, os enfeites podem ser originados da queda dos contêineres da Log In Pantanal,  que caíram no mar em agosto de 2017, em Santos:  “Em algumas áreas remotas, que a gente não tem acesso, este material ainda está sendo ofertado e, com certeza, alguns animais já devem ter ingerido isso, pelo tamanho e pela disposição deles nas praias e nas áreas de encosta.”

Enfeite de natal encontrado na praia no dia 08/09. Foto de Márcio Ribeiro

JURUVA

Durante o percurso, voluntários da ONG encontraram uma ave morta na estrada, identificada como Juruva-verde (Baryphthengus ruficapillus), nativa da mata atlântica, de plumagem muito bonita e apreciada pelos observadores de pássaros.

Juruva, encontrada morta durante a operação de limpeza. Foto de Márcio Ribeiro

TRILHA DO COSTÃO

Vale registrar que a Trilha do Costão, estruturada pelos Monitores Ambientais de Peruíbe e  utilizada para a Educação Ambiental pela prefeitura em outros anos, está deteriorada. Não há mais corrimões ou degraus para dar segurança e, em alguns trechos, o mato está fechando o caminho. Uma árvore enorme caiu e dificulta a passagem, aumentando ainda mais a sensação de abandono do local.

O Guia de Turismo, Guilherme de Paula, ajudou na atividade e falou da importância de ações como a realizada no domingo: “Eu acho muito importante ter participado deste movimento. A galera dissemina muito lixo na cidade.  Não só na cidade, mas também na praia […], vai tudo para o oceano. Eu acho  que tem que ter essa limpeza, essa ação e mais gente que se envolva nesse tipo de projeto pra gente caminhar para um mundo melhor para todos”.

Rodrigo Azambuja também falou da importância da ação: “A preservação da área é importante por conta da ocorrência de muitos animais marinhos. Um grande volume de redes de pesca foi encontrado jogado na prainha. O pessoal da cidade deveria agregar mais valor ao nosso trabalho e ao trabalho das ONGs de preservação ambiental por que Peruíbe precisa, principalmente nesta área do costão.”

Veja o Vídeo da Tartaruga:

De acordo com a ONG, o resultado dos trabalhos deverá ser apresentado ao Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo (Gaema), do Ministério Público de São Paulo (MPSP). O grupo quer respostas sobres os métodos de limpeza das praias e os cuidados obtidos para a preservação do bioma do local.

Em nota ao G1, referente à ação da ONG realizada no dia 18 do mês passado, a Prefeitura de Peruíbe explicou que faz mutirões rotineiramente na praia do Costão e em outras, além dos trabalhos de remoção de resíduos que são realizados diariamente dentro de técnicas aprovadas e que esse material é depositado adequadamente. Afirmou ainda que a ação da ONG é desconhecida dos órgãos municipais, por não ter explicado como, onde e de que forma depositou o que diz ter recolhido.

A administração reitera que, ressacas recorrentes lançam nas areias da praia todo o tipo de material que está no mar, e que a situação é agravada pelo lixo jogado pela população em valas e canais que afluem ao rio Preto, que fica ao lado da praia do Costão, favorecendo, infelizmente, o acumulo de materiais em determinadas ocasiões.

Por fim, a prefeitura destacou as ações de Educação Ambiental nas escolas com a finalidade de levar aos pais e familiares das crianças a conscientização sobre cuidados com o meio ambiente, o que inclui incursões práticas aos manguezais, feitas com alunos de escolas municipais, ações desenvolvidas pelas Secretarias de Meio Ambiente e da Educação.

Texto e Pesquisa: Márcio Ribeiro

Fotos e Vídeo: Márcio Ribeiro

Consultas: G1 , Ecomov e Tamar

Contato: [email protected]

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.