Tenho plena consciência do quanto meu discurso a respeito da situação educacional no Brasil pode ser apocalíptico. Em tempos de disputa eleitoral, é comum ouvir análises superficiais de soluções utópicas. Eu, obviamente, não tenho tanto cacife assim para tratar de certos assuntos. Minha análise é muito pessoal, decorrente da minha observação do mundo ao meu redor. Meu universo é bastante limitado, portanto, minha análise é bastante limitada. Os alunos da minha namorada costumam colocar fogo nas cortinas da sala de aula; os meus – num centro universitário público – recusam-se a realizar as atividades, chegam atrasados e saem mais cedo. Mostram-se agressivos a qualquer posicionamento meu.

E é para ajudar no aprofundamento dessa questão que compartilho uma palestra da Viviane Mosé, realizada no Instituto CPFL para o projeto Café Filosófico. Alguns podem alegar que ela é apenas uma intelectual do main stream. Tudo bem, não vou discutir. No entanto, peço que assistam primeiro à palestra. Vamos discutir posteriormente as ideias expostas.

Foquemos nos argumentos.

Voltaremos a falar sobre esse assunto.

 

José Fagner Alves Santos