Novas doenças: Cientistas reportam Fungo fatal brasileiro e vírus letal boliviano

A população mundial nem se livrou do Coronavírus (Covid-19) e duas novas doenças preocupam as autoridades sanitárias:

FUNGO FATAL NO BRASIL

Um é o fungo, que representa uma séria ameaça à saúde pública. É a primeira infecção brasileira pelo Candida auris, fungo fatal que pode causar infecção na corrente sanguínea, no sistema nervoso central e órgãos internos. Ele ataca principalmente pacientes com comorbidades e chama a atenção pela resistência às principais classes de medicamentos antifúngicos.

O fungo foi uma amostra de um paciente adulto internado em um hospital na Bahia.

Leia mais em:

https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/12/08/anvisa-alerta-sobre-primeiro-caso-de-fungo-que-e-seria-ameaca-a-saude-publica

VÍRUS LETAL NA BOLÍVIA

Outro é o vírus Chapare, encontrado na Bolívia. Recentemente, os cientistas descobriram que ele passou a ser transmitido entre humanos.

Acredita-se que  o vírus seja proveniente de roedores. A exemplo de febres hemorrágicas mais conhecidas, como o ebola, o Chapare pode causar sintomas como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas. Pode levar à morte.

Leia mais em:

https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/11/17/virus-letal-encontrado-na-bolivia-pode-ser-transmitido-entre-humanos-diz-cdc

Imagem ilustrativa

Postagem: Márcio Ribeiro

Imagem: de Capri23auto, por Pixabay

Fonte: CNN Brasil

Contato: [email protected]

 

 

Márcio Ribeiro

Sou Jornalista, Guia de Turismo, Monitor Ambiental, Técnico em Lazer e Recreação e Guia de Birdwatching. Sou um caiçara com orgulho das matas da Juréia. Trabalhei na Rádio Planeta FM, sou um dos fundadores do Jornal Bem-Te-Vi e participei de uma reunião de criação do Jornal do Caraguava. Fiz estágio na Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Peruíbe e no Jornal Expresso Popular, do Grupo "A Tribuna", de Santos, afiliada Globo. Fui Diretor de Imprensa na Associação dos Estudantes de Peruíbe - AEP. Trabalhei também em outras áreas. Atualmente, escrevo para O Garoçá, Editoria Livre e para a Revista Editoria Livre.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.