A TORRE DE BABEL

Escrita Cuneiforme no Crescente Fértil, de 3100 AC a 500 AC

Qual a relação entre escrita cuneiforme e a Torre de Babel? Além de ser uma antiga versão do mito do Fausto, o que mais essa fábula tenta nos dizer? Essas e outras questões serão trabalhadas ao longo dos próximos dias, aqui no blog. Publico hoje o primeiro fragmento desse ensaio. Esse texto foi livremente inspirado num episódio do podcast Literature and History.

No Livro do Gênesis, depois que o Deus do Antigo Testamento inunda o mundo inteiro, e Noé, sua arca e sua família sobrevivem, ouvimos a história de uma certa torre misteriosa. É uma história enigmática.

Em todos os 50 capítulos do Gênesis, em meio à gigantesca saga da criação da humanidade até a dispersão das doze tribos de Israel, a história da Torre de Babel é fácil de esquecer. Os nove pequenos versículos sobre esta torre são menos memoráveis ​​do que a história sinistra de Sodoma, Gomorra e Ló, a tragédia de Caim e Abel, a história de José e os sonhos do Faraó e, claro, a narrativa inicial envolvendo Adão, Eva e sua expulsão do Éden. Em meio a todos esses episódios mais coloridos e dramáticos.

É uma história curta – curta o suficiente para recontarmos tudo aqui. Vamos ouvir uma tradução desta história – esta é a versão disponível na Bíblia Online.Aqui está a abertura de Gênesis, capítulo 11.

E ERA TODA A TERRA DE UMA MESMA LÍNGUA E DE UMA MESMA FALA. E ACONTECEU QUE, PARTINDO ELES DO ORIENTE, ACHARAM UM VALE NA TERRA DE SINAR; E HABITARAM ALI. E DISSERAM UNS AOS OUTROS: EIA, FAÇAMOS TIJOLOS E QUEIMEMO-LOS BEM. E FOI-LHES O TIJOLO POR PEDRA, E O BETUME POR CAL. E DISSERAM: EIA, EDIFIQUEMOS NÓS UMA CIDADE E UMA TORRE CUJO CUME TOQUE NOS CÉUS, E FAÇAMO-NOS UM NOME, PARA QUE NÃO SEJAMOS ESPALHADOS SOBRE A FACE DE TODA A TERRA. ENTÃO DESCEU O SENHOR PARA VER A CIDADE E A TORRE QUE OS FILHOS DOS HOMENS EDIFICAVAM; E O SENHOR DISSE: EIS QUE O POVO É UM, E TODOS TÊM UMA MESMA LÍNGUA; E ISTO É O QUE COMEÇAM A FAZER; E AGORA, NÃO HAVERÁ RESTRIÇÃO PARA TUDO O QUE ELES INTENTAREM FAZER. EIA, DESÇAMOS E CONFUNDAMOS ALI A SUA LÍNGUA, PARA QUE NÃO ENTENDA UM A LÍNGUA DO OUTRO. ASSIM O SENHOR OS ESPALHOU DALI SOBRE A FACE DE TODA A TERRA; E CESSARAM DE EDIFICAR A CIDADE. POR ISSO SE CHAMOU O SEU NOME BABEL, PORQUANTO ALI CONFUNDIU O SENHOR A LÍNGUA DE TODA A TERRA, E DALI OS ESPALHOU O SENHOR SOBRE A FACE DE TODA A TERRA.

GÊNESIS 11:1-9.

Se você já ouviu essa narrativa no início de Gênesis, capítulo 11 antes, ou está apenas ouvindo aqui pela primeira vez, os eventos da história são bastante claros e fáceis de entender. A humanidade está migrando para o leste. Construímos uma imponente cidade de tijolos, e uma vasta torre. O Deus do Antigo Testamento vê a cidade, e particularmente a torre, e experimenta algo – talvez ciúme, ou ira, ou mesmo medo. O Deus do Antigo Testamento então espalha a população, a cidade e sua torre param de ser construídas, e de repente não conseguimos mais entender a fala um do outro. A cidade passou a ser chamada de Babel, que é um trocadilho em hebraico – balal em hebraico bíblico significa “confundir”. Com sua linguagem outrora unificada confusa e seus grandes projetos de construção antecipados por ordem divina, Babel – pelo menos no Livro do Gênesis – vacila, e o restante do capítulo 11 prossegue voltando ao assunto principal da narrativa – os antigos antepassados ​​dos israelitas.

 
Pintura da famosa torre feita por Pieter Brueghel, o Velho, (1563). Espetacular, mas não tanto quanto Etemenanki, o verdadeiro Zigurate da Babilônia.

Por pelo menos 2.500 anos, temos lido essa história. Está impressa perto da capa de talvez um bilhão de bíblias enquanto escrevo isso. Tão conciso, escuro e inescrutável como sempre foi. Mas o que isso significa? Por que a Torre de Babel está no Antigo Testamento? E por que – sempre achei isso particularmente estranho – o Deus do Antigo Testamento parece apreensivo no capítulo 11 de Gênesis? Você pensaria que – sendo onipotente e tudo – ele não seria nem um pouco ameaçado pelos descendentes de Noé unindo forças e construindo uma cidade juntos. Por quê?

Há mais perguntas. Se você leu os primeiros oito ou nove livros do Antigo Testamento, sabe que a divindade do livro tem muitas maneiras de derrubar uma cidade. Ele tem fogo e enxofre. Ele tem pragas. Ele pode transformar rios em sangue e matar filhos primogênitos. Ele pode quebrar paredes com toques de trombeta. Então, por que, quando ele chega a Babel, ele confunde a linguagem, e resolve dessa forma o problema? Os outros reinos que se opõem aos israelitas no Antigo Testamento – grandes como Egito e Assíria, e pequenos, como Jericó e Hazor – todos enfrentam formas assassinas de retribuição divina. Por que a Babilônia é poupada? Por que o reino que sequestrou uma geração da nobreza israelita sai tão levianamente, com um estranho tapinha nos pulsos?

Quando li esta história pela primeira vez, tudo nela me fascinou. Eu olhei para manuscritos medievais com ilustrações em suas margens – ilustrações que mostravam uma torre esguia se estendendo para cima nas nuvens, repleta de parapeitos com ameias e arcobotantes. Frequentemente, a torre espiralava nessas ilustrações, seus arcos inclinando-se e girando, e no topo anjos minúsculos e demônios batiam espadas contra escudos. Encontrei imagens modernas da Torre de Babel – ilustrações extravagantes a caneta e tinta feitas por entusiastas do século XX – coisas modernistas, coisas expressionistas abstratas – quero dizer, se você precisa de uma coisa convincente para ilustrar, uma torre subindo para as estrelas é uma bom tema para começar.

Essa noção de alcançar o poder da divindade é a mesma que encontramos nas histórias de Adão e Eva, Prometeu e Pandora, Tântalo e Pelops e Fausto, e em O Diabo e Daniel Webster, de Benét . Um professor que havia me mostrado uma frase na obra mais famosa do filósofo Soren Kierkegaard – que “toda era histórica notável terá seu próprio Fausto”, explicou-me que a história da Torre de Babel era apenas outra encarnação da narrativa de Fausto. Um homem, ou mulher, ou pessoas estendem a mão para cima, e vão longe demais. Achei que talvez fosse isso. Talvez fosse apenas uma história sobre humanos perseguindo o poder dos deuses e sendo punidos por ultrapassar.

Mas havia muita coisa estranha sobre a história que abriu o décimo primeiro capítulo do Gênesis – demais, para mim, para ser apenas outra história de Fausto de apenas outra geração. Levei muito tempo para encontrar uma interpretação dessa história que me satisfizesse. Anos. E não o encontrei em uma nota de rodapé do Livro do Gênesis, nem em comentários bíblicos medievais, nem mesmo em estudos bíblicos acadêmicos. Encontrei-o na história – a história do Iraque.

O ponto intermediário da história registrada

Houve um tempo – antes da arqueologia bíblica – antes de decifrarmos os hieróglifos acádios, sumérios e egípcios no século XIX, antes de decifrarmos o ugarítico e o hitita no início do século XX – houve um tempo em que o Antigo Testamento era a única fonte escrita para se conhecer o passado, o único registro dos eventos do Antigo Oriente Próximo durante o final da Idade do Bronze e início da Idade do Ferro. Nessa época, o Antigo Testamento permanecia, exaltado e solitário, como nossa melhor esperança de compreender um longo período da história central da Eurásia. Não tínhamos, ou não podíamos ler, os milhares e milhares de documentos que temos hoje das idades do Bronze e do Ferro – tabuletas, monólitos, esculturas em túmulos, fragmentos de cerâmica quebrada, inscrições monumentais, listas de reis, cartas, recibos e outros Textos. As disciplinas de Assiriologia e Egiptologia ainda são jovens, e outras línguas e culturas que cercaram os antigos cananeus que escreveram o Antigo Testamento têm sido objeto de estudo acadêmico por menos de um século. Nos últimos 200 anos, no entanto, aprendemos muito sobre o que estava acontecendo no Antigo Oriente Próximo durante a Idade do Bronze. E ao cruzar referências de listas de reis, anais de conquistas históricas, esculturas hieroglíficas em tumbas faraônicas e menções ocasionais e inestimáveis ​​de eclipses antigos, conseguimos lançar luz sobre as antigas civilizações do Iraque, Egito e outros lugares – civilizações que antecedem nossa própria por mais de 4.000 anos. Aprendemos muito sobre o que estava acontecendo no Antigo Oriente Próximo durante a Idade do Bronze.

A maioria de nós reconhece as palavras iniciais de Gênesis – “No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, a terra era um vazio sem forma” (Gn 1:1). E quando ouvimos essas palavras – principalmente se não somos historiadores antigos – sentimos como se estivéssemos ouvindo uma história que é mais velha do que o tempo – a abertura de um texto monolítico que antecede tudo, que vem de um momento da madrugada da história registrada. Mas não. O Antigo Testamento, se o colocarmos em uma prateleira ao lado de textos narrativos e teológicos que o antecederam, não parece tão antigo. Em primeiro lugar, o Antigo Testamento foi composto ao longo de quase mil anos. O que muitos estudiosos consideram sua parte mais antiga, a Canção de Débora, no quinto capítulo do Livro dos Juízes, remonta ao final dos anos 700 AC. Seus livros mais novos foram compostos bem mais tarde – Daniel, no final da década de 160 junto com o livro dos Macabeus; Judith ainda mais tarde, provavelmente durante a dinastia Hasmonean; II Esdras, ainda mais tarde, após o saque romano de Jerusalém em 70 da Era Comum (EC); IV Macabeus, provavelmente ainda mais tarde. Se os estudiosos bíblicos estão corretos em supor que a parte mais antiga do Antigo Testamento – um poema no Livro dos Juízes – foi composta nos anos 700 AC., então o fragmento mais antigo do Antigo Testamento é aproximadamente contemporâneo da Ilíada e da Odisseia, da Grécia Antiga. Como os antigos escribas cananeus começaram a compor poesia hebraica curta sobre suas conquistas marciais, a Grécia arcaica já tinha dois épicos em grande escala.

Mas esses épicos também são jovens na linha do tempo da literatura humana – jovens vigorosos e influentes, mas ainda assim jovens. Porque muito antes de as principais partes do Antigo Testamento serem escritas e compiladas, em todo o Mediterrâneo Oriental, várias civilizações já produziam histórias e textos teológicos. A noroeste dos israelitas, na atual Síria, uma civilização chamada Ugarit tinha uma tradição literária e teológica com vários paralelos distintos com o Antigo Testamento, e essa tradição foi registrada em tábuas de pedra em meados do século 13 AC. Do outro lado do Mediterrâneo oriental, ao norte, aproximadamente na mesma época, os antigos hititas da Turquia moderna registraram histórias de um divertido panteão de divindades rivais. Ao sudoeste dos israelitas, através da Península do Sinai, histórias e livros de feitiços sobrevivem do Egito Antigo, que datam de quase 2.000 AC, cerca de 1.300 anos mais antigos que os livros mais antigos do Antigo Testamento. Mas tão antigas, ou mais antigas que todas essas narrativas, são as histórias da antiga Mesopotâmia – a Enuma Elish , o Atrahasis , o Épico de Gilgamesh , o Épico de Inanna e Dumuzi , e a poesia de Enheduanna de Ur.

A maioria de nós nunca ouviu falar de nenhum desses textos. Por alguma razão, estamos contentes em voltar até a Bíblia e talvez as obras de Homero e deixar o resto permanecer envolto em névoa. A maioria de nós não sabe que a primeira autora registrada da história foi uma mulher chamada Enheduanna, que viveu no início dos anos 2200, ou que a história do dilúvio em Gênesis provavelmente foi copiada da Atrahasis babilônica, ou que um dos nomes de Deus no Antigo Testamento é retirado do panteão da antiga Ugarit. Nós – para falar em um nível mais geral – muitas vezes não percebemos que o Antigo Testamento foi escrito mais ou menos na metade do caminho da civilização com registro escrito, e não no começo – e que é uma antologia de diversos escritos frequentemente influenciados por obras anteriores e não, de forma alguma, o texto mais antigo a emergir da história antiga.

Eu queria começar este texto com a história da Torre de Babel, não porque seja especialmente antiga. Eu queria começar com esta história porque acho que é uma parábola, ou uma abreviação, para um evento histórico imenso e complicado, um evento que marca o ponto intermediário na história humana registrada. Acho que a história da Torre de Babel é sobre a ascensão e queda do que foi inquestionavelmente a invenção mais importante da história da humanidade. Essa invenção, desde então, nos permitiu viver muito depois de morrermos. Isso nos permitiu viajar no tempo e existir em muitos lugares ao mesmo tempo. Isso permitiu que nossas espécies fundissem mentes e experimentassem a consciência umas das outras. Esta invenção foi chamada de escrita cuneiforme.

Continuar lendo >>

Sobre o autor

 | Website

José Fagner Alves Santos é jornalista (MTB 0074945/SP), formado em Letras. Mestre em Educação, Doutor em Literatura. Fã de Ernest Hemingway, Tom Wolfe, Gay Talese, Hunter Thompson, John Hersey e Eliane Brum. Faz um arremedo de jornalismo literário. Publica sempre às segundas aqui no Editoria Livre e apresenta o podcast que é publicado às quartas. Colabora com o Portal Café Brasil.


Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações