estando à MARGEM

Escrevi esse poema no dia 17 de maio de 2017, quando cursava Graduação na UFAL. Ele nasceu em um momento de desesperança em relação ao ingresso no Mestrado. As experiências no Ensino Superior me levaram a acreditar que a Pós-Graduação não era um espaço para pessoas pobres e de origem interiorana. O meu futuro parecia estar em outras mãos.(Imagem presente no “Memorial Abelardo da Hora“. Fiz a fotografia em visita ao espaço, em 2023).

Autora da Poesia: Hebelyanne Pimentel da Silva.

 

Vivemos como loucos

Em um mundo excludente

E a nossa liberdade

É prática inevidente.

 

Somos povos abolidos,

Mas com essa inverdade

(im)posta com correntes,

Troncos e sabotagens.

 

Somos escravos agora,

Como fomos em outros tempos.

Mas o que nos escraviza

É a fome, a dor, o tormento.

 

Éramos comprados por senhores

E hoje somos do Estado

Dignidade:

– Não há!

Como não houve no passado.

 

E assim seguimos sós,

Categorizados ex-escravos,

Alimentando a hipocrisia

Imposta por esse espaço.

 

E morrendo esquizofrênicos,

Ditos pobres

Fracassados.

Sobre o autor

 | Website

É Pedagoga, Mestra em Educação e autora da obra "Uma década de PROSA". Busca desenvolver, por meio desta coluna, reflexões majoritariamente autobiográficas sobre as condições de vida das pessoas de origem interiorana, especificamente do interior de Alagoas. Escreve, comumente, crônicas e artigos de opinião, mas também utiliza-se da linguagem poética, quando pertinente à temática destacada.


2 Replies to “estando à MARGEM”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações