Home O Garoçá Curiosidades Músicos de Peruíbe 6: Umberto Tamutis canta “I like to be crazy”, em 1996

Músicos de Peruíbe 6: Umberto Tamutis canta “I like to be crazy”, em 1996

Músicos de Peruíbe 6: Umberto Tamutis canta “I like to be crazy”, em 1996
0


Uma música muito louca  que nos contagia e faz querer ouvir todos os segundos do seu belo arranjo e  letra.

“I like to be crazy”, de Umberto Tamutis, é uma das mais bem gravadas do CD antológico “Músicos de Peruíbe”, de 1996, que reuniu 13 faixas autorais de artistas de Peruíbe. O destaque da canção se dá por conta da facilidade de ouvir e separar todos os instrumentos que ela nos apresenta.

Ela já começa bem, com um belo riff de guitarra que se mostra junto com o baixo, o bumbo e o chimbal da bateria. Na melodia da introdução, parece que os instrumentos aguardam a chegada de algo.

Como estivesse cansada de esperar, a bateria “chacoalha” a música com uma bela “virada” e chama a gaita para entrar na “festa” e animar os demais instrumentos, deixando o ritmo mais rápido e esperto até achegada da letra.

A mensagem cantada se faz de louca, mas na verdade não é. Ele passa umas reflexões, filosofias de vida e ensinamentos que só se aprende com as loucuras da vida.

“O segredo de amar não está  em nossas mãos

Mas s o destino é quem escreve as traduções.”

No meio da música, há um solo de gaita com um belo acompanhamento instrumental que vale a pena ouvir.

Após toda a letra ser cantada, a gaita volta a ser a estrela principal por alguns segundos, mas é substituída por um solo de guitarra que toca soberano em companhia de um riff  base e de um baixo, ambos independentes, isto é, fazem acompanhamento para a guitarra solo, mas possuem musicalidade e “vida própria” dentro do trecho da canção.

A parte instrumental possui mais de um minuto e se estende até o final da música, fechando tudo de uma forma muito bonita.

Confira a letra

I like to be crazy

O medo está em mim

Pessoas acham que sou louco

O sentimento mais fácil de expressar

É aquele que todos dizem conhecer

O amor é algo louco uma faca de dois gumes

Que você se corta mesmo sem querer

O ser humano convive com a ilusão

De se achar tão forte pra viver tal emoção

Vivendo situações, mentindo para o próprio coração

Quem acha que eu sou louco não parou para pensar

A história se repete por diversas gerações

Andando pela estrada  sem destino algum

Levo na minha bagagem o velho feeling blue

O segredo de amar não está  em nossas mãos

Mas so destino é quem escreve as traduções.”

(Umbertto Tamutis)

Ouça a música:

“I like to be crazy” contou om a participação do Otto da gaita, Miltinho no baixo, Mazinho na bateria, Enza Flori e Raquel Bastos nos bancking vocais, Daniel Lanchinho como Técnico de som e foi gravada no estúdio Cameratti.

O autor da música, Umberto Tamutis, que no encarte do CD foi escrito com “H” (Humberto), ainda faz shows por aí e aguarda o fim da pandemia para voltar a se apresentar e fazer o que mais gosta.

Veja o cartaz de uma de suas apresentações realizadas ainda neste ano.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é 106420852_899516440569555_3953307008527011691_n.jpg

Resenha e Pesquisa: Márcio Ribeiro

Imagem: Divulgação

Agradecimentos: Jocemar e Mario Omuro

Próxima música: “Doce delírio”, Banda Próton

Música Anterior:Todo tempo que você perdeu”, de Ivan Carlos

Contato[email protected]

Márcio Ribeiro Sou Jornalista, Guia de Turismo, Monitor Ambiental, Técnico em Lazer e Recreação e Guia de Birdwatching. Sou um caiçara com orgulho das matas da Juréia. Trabalhei na Rádio Planeta FM, sou um dos fundadores do Jornal Bem-Te-Vi e participei de uma reunião de criação do Jornal do Caraguava. Fiz estágio na Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Peruíbe e no Jornal Expresso Popular, do Grupo "A Tribuna", de Santos, afiliada Globo. Fui Diretor de Imprensa na Associação dos Estudantes de Peruíbe - AEP. Trabalhei também em outras áreas. Atualmente, escrevo para O Garoçá, Editoria Livre e para a Revista Editoria Livre.

Deixe uma resposta