Sucesso nos anos 90, o pagode romântico também teve seus representantes em Peruíbe. Um deles é o Amizade Imprevista que gravou “Coisas de Amor”, em 1996, que fez parte do antológico CD Músicos de Peruíbe.

A música conta a história de um rapaz que gosta de uma garota, mas tem dificuldades para conquistar o coração dela. O tema e a “voz jovem” caracterizam as típicas paixões de adolescente.

A música começa com um solo de violão que “chama” os outros instrumentos. O cavaco passa a “pentear” a música e o bongô faz uma marcação. A partir daqui, a música é linear, isto é, não há surpresas e nem destaque instrumental, apenas a alternância da voz solo com a voz em  grupo que cantam as três partes da música: Primeira – refrão – e segunda. O solo do violão volta a aparecer e parte da música é repetida, que finaliza com um “laiá, laiá”, característico do gênero.

O trecho, após o refrão, que começa: “Então olha, vê se me nota um pouquinho...” , lembra a melodia da música “Volta”, do Raça Negra , no verso “Então volta e fala pra mim que é mentira…”

Veja a letra:

Amizade Imprevista – Coisas de Amor

“Quando eu te vejo passar

Meu coração bate acelerado

Me dá vontade de te abraçar

e dizer coisas de amor no seu ouvido

Só de pensar que você

Me ganhou num só olhar

Me enlouquece com o seu jeito de ser e me faz delirar

—-0—-

Mas sei que é tão difícil ganhar o coração

Por isso digo isso a você em forma de canção

Mas sei que é tão difícil ganhar o coração

Por isso digo isso a você em forma de canção

—-0—-

Então olha

Vê se me nota um pouquinho

Sinta que o meu olhar

Me leva até você…

Olha

Me dê um pouco de carinho

As vezes me sinto sozinho

Mas fico tão alegre quando te vejo”

Autores: (Ailton / Luis Adriano),  no encarte, consta (Ademir)

Pagode 90

O pagode romântico ou pagode paulista é um gênero musical originado na cidade de São Paulo que tornou-se um fenômeno comercial, com o lançamento de dezenas de artistas e grupos, como: “Art Popular”, “Exaltasamba”, “Negritude Junior”, “Raça Negra”, “Só Pra Contrariar”, “Os Travessos”, entre outros.

O Raça Negra foi o mais influente e principal grupo do estilo. Apareceu com um perfil romântico que misturava elementos de baladas pop e soul internacionais, música sertaneja e ritmos de samba. Além disso, usava bateria, baixo elétrico, saxofones e sintetizadores, fugindo ao padrão “fundo de quintal” estabelecido anteriormente. Apresentou canções com poucas características da tradição do samba e alguns covers de sucessos de rock/pop e de música sertaneja.

O novo pagode começou a perder espaço a partir dos anos 2000, por conta do mercado já saturado de artistas a reproduzirem canções, trejeitos e arranjos praticamente idênticos, coisa que vem acontecendo com o sertanejo atual.

Resenha e Pesquisa: Márcio Ribeiro

Produção e Foto: Pixabay

Agradecimentos: Jocemar e Mario Omuro

Próxima música: “Malícia”, de Doce Magia

Música Anterior:Os olhos e o mar”, de Walker

Contato[email protected]

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.