Casa de ferreiro, espeto de pau”, diz o antigo ditado. Esse final de semana tive uma experiência um tanto amarga. Só não foi pior graças à gentileza do Alexandre Nagado. Vamos lá. Eu já contei aqui da minha interação com esse grande redator e quadrinista. O que você ainda não sabe é do parto que foi a execução da décima primeira edição da nossa revista.

Eu havia trabalhado muito durante as duas últimas semanas. Foram 15 dias atípicos. Perdi algumas noites de sono graças à ansiedade e problemas de ordem pessoal. O resultado foi um Fagner em estado de exaustão na sexta feira.

Imagem de Steve Buissinne por Pixabay

A edição estava programada para sair no domingo, ao meio dia. No sábado eu ainda tinha muito trabalho pela frente e nem havia começado a elaborar o arquivo. Resolvi fazer a diagramação e escrever o editorial no horário de almoço, com muita correria, nenhuma apuração e revisão inexistente. O resultado não poderia ser outro. A revista ficou cheia de erros.

O pior é que eu nem me dei conta, enviei para o Nagado uma cópia em PDF, crente que meu trabalho estava feito. Ele me retornou um e-mail muito educado, pontuando algumas incorreções. Para a minha vergonha, não eram poucas. Eu havia atribuído a ele publicações que não escreveu, havia generalizado o viés partidário dos seus entrevistados e havia omitido os links para os sites e redes sociais desses mesmos entrevistados.

Muito provavelmente, eu, no lugar dele, teria perdido a paciência. Mas parece que o Nagado é uma dessas pessoas que estão em outro nível evolutivo. Comentou muito discretamente, quase pedindo desculpas.

Depois de três ou quatro e-mails trocados consegui arrumar o grosso da bagunça. Duas lições importantes ficaram desse episódio:

  • 1) não posso tratar a edição da revista como algo de menor importância. Se for para fazer desse jeito é melhor não fazer. Em respeito ao meu trabalho, mas principalmente, em respeito ao trabalho de todos os colaboradores;
  • 2) quando crescer quero ser igual ao Alexandre Nagado. Estou fazendo piada com algo realmente muito sério. A cordialidade, simpatia e generosidade de pessoas como ele me fazem repensar muito das minhas atitudes. O mundo seria muito melhor se fôssemos todos mais tolerantes.

Aproveito o espaço para agradecer mais uma vez ao Nagado pela paciência e generosidade. Vamos torcer para que a lição apreendida não fique só no campo teórico.

Uma boa semana para todos nós.

 

José Fagner Alves Santos

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.