Crime e Castigo é uma obra de grande apelo psicológico que fala muito mais sobre a nossa natureza do que nós gostaríamos de ver exposto

Qualquer ser humano que não seja demasiadamente bitolado compreende que não podemos dividir nossos semelhantes entre bonzinhos e malvados. Não importa o espectro político, o time para o qual a pessoa torce ou o credo religioso que ela diz professar. Se você ainda baseia sua percepção de vida na perspectiva dualista do mocinho e bandido, está na hora de começar a olhar ao seu redor. Todos nós temos o bem e o mal em nosso ser, é isso que nos faz humanos.

Alegar que Hitler foi um carrasco porque era nazista, Mussolini matou porque era fascista ou que Mao Tsé-Tung foi um tirano por ser comunista não faz nenhum sentido. Seria uma argumentação absurdamente pueril. No entanto, é exatamente nessa linha que temos discutido política e cultura aqui no Brasil. Fulano é fascista, beltrano é comunista, cicrano é militarista. Os desvios acontecem, independentemente da corrente ideológica, porque somos humanos, imprevisíveis, inconsequentes.

Afirmo sem medo de errar: a maioria absoluta daqueles que gostam de enquadrar seus opositores em linhas ideológicas desconhecem por completo as bases teóricas de tais ideologias. Quantos dos que falam mal de Karl Marx leram seus escritos? Desses, quantos chegaram a compreender? Quantos leram Friedrich August von Hayek? E quantos o compreenderam?

A verdade é que lemos – na melhor das hipóteses – seus intérpretes. Nos esquecemos, no entanto, que todos têm seus próprios interesses. Estudar por conta própria dá trabalho, leva tempo, exige muito esforço. É muito mais fácil pegar uma simplificação feita pelo intelectual do momento, decorar duas ou três frases de efeito e posar de profundo conhecedor de um assunto que se desconhece completamente.

Recentemente comecei a reler Crime e Castigo, de Fiódor Mikháilovitch Dostoiévski. Apesar da centralidade dos temas ligados à fé – muito criticada por seus detratores –, essa obra é muito importante na compreensão do espírito humano. Seu autor mais parecia um psicólogo descrevendo as personalidades de suas criaturas. Dostoiévski busca elucidar a natureza da fé, bem como a sua mecânica irregular para explicar a sociedade. E peço que você não se engane, mesmo os personagens que se dizem descrentes parecem apelar para um milagre que possa resolver suas respectivas situações.

Só para ficar nos exemplos mais óbvios: o personagem principal, Rodion Románovitch Raskólnikov, questiona-se sobre seu papel no mundo, seria ele um membro da casta de homens superiores, como o foi Napoleão? Ele resolve se colocar à prova. A esperança de que ele seja, de fato, alguém acima dos pobres mortais é a expectativa de um milagre que se disfarça na suposta racionalidade humana; Sônia Marmieládova, a jovem prostituta que precisa se macular para ajudar financeiramente a família, consegue arrancar forças da sua fé religiosa e da esperança de que um milagre – aqui no sentido providencial – possa acabar com seu sofrimento.

Ambos demonstram, em suas complexidades, características positivas ao lado de outras completamente degradadas. Somos apresentados à Sônia através de um monólogo que seu pai faz num bar. Raskólnikov está presente, ouve tudo e resolve deixar suas poucas moedas de cobre na janela da família. Sônia, por sua vez, foi empurrada para tão degradante ofício pela sua madrasta, Catierina Ivanovna, que costuma lhe bater e exigir da jovem muito mais do que ela pode dar. Sônia, no entanto, não odeia sua madrasta, ao contrário, tem pena dela e compreende a situação em que a família se encontra. Raskólnikov, após ter deixado suas moedas na janela se arrepende, aquelas era o único dinheiro que ele tinha. É nesse momento em que ele começa a travar um diálogo interno, alternando entre o cinismo e a compaixão. E na sequência, chega a uma conclusão deturpada sobre os valores sociais:

“Bem, e se eu estiver equivocado – exclamou de forma súbita e involuntária –, se de fato o homem, o homem em geral, de todo o gênero, isto é, do gênero humano, não for canalha? Quer dizer que tudo o mais são preconceitos, simples temores estimulados, e que não existem obstáculos de nenhuma espécie, e que é assim que deve ser!”

Ao relativizar e desconstruir os valores morais, Raskólnikov se rebaixa ao mais primitivo estado animalesco e se vê no direito de cometer crimes. Mas uma cena depois dessa percepção demonstra a oscilação pendular que o afligia. Sônia vai até sua casa para convidá-lo para os rituais funerários do seu pai. Raskólnikov tem agora a oportunidade de observá-la melhor. Percebe que ela é só uma garota, muito magra, aparentando ser mais jovem do que é, que não chega a ser bonita, mas que tem os olhos que lhe transmitem a pureza de seu ser. Ele sente pena dela, sente pena de tudo aquilo que ela tem que enfrentar para ajudar sua família.

Todo o livro é construído para nos mostrar o quanto o bem e o mal estão dentro de nós. O assassinato da velha usurária e as consequentes alucinações febris de Raskólnikov são descritas de tal modo que é fácil esquecer se tratar de uma obra de ficção. Sofremos juntos com os personagens e, apesar de não aprovarmos suas atitudes, nos compadecemos deles.

Essa é uma obra sobre o quanto estamos perdidos no mundo. Como baratas tontas buscando encontrar nosso caminho na vida. “Como pedras a rolar”, só para citar Dylan. Não importando os “ismos” aos quais nos enquadram, erramos porque somos humanos e a maldade está em nós. Mas a capacidade de fazer o bem também está em nós. Quando conseguimos superar a vaidade e o orgulho, quando conseguimos perceber nosso papel no mundo, temos a chance de fazer o que é certo. Sem glamour, sem histrionismos, sem afetações de superioridade, apenas uma célula no grande organismo social.

José Fagner Alves Santos

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.