Press "Enter" to skip to content

Seguros na caverna

Dizem que “só Jesus salva” então…

Fique resignadamente em casa! Quando finalmente deixarem você sair, talvez descubra que seu país ficou miserável, um mundo de desempregados, dependentes de antidepressivos e ansiolíticos e isso sem falar nas vacinas e mais vacinas para cobrir cada nova “onda” de cada mutação viral que surgir…

Não se assuste ao sair dessa nova Caverna de Platão, descobrir que a indústria dos fármacos bem como todos aqueles que ganham a vida remediando a falta de saúde no mundo estiverem indo muito bem.

Não se assuste se sob qualquer pretexto (geralmente um bem maior) eles decidirem por você o que é ou não essencial na sua vida. Se pode sair com a família, ir a um parque ou praia.

Você deve ficar preparado aí nessa caverninha segura onde agora está, para um futuro hipocondríaco, onde coisas simples como tossir, espirrar ou simplesmente esbarrar em alguém são riscos mortais!

Aí dentro dessa caverna/cova você olha um mundo distorcido, moldado pelo que o Google diz a você que é relevante e verídico. Para você o filtro que separa a informação da desinformação é o que aparece nos resultados produzidos por um gigante manipulador de cesso á informação e às vezes a televisão. Quem diria!

Assustado, você aprendeu a confiar nos “especialistas”, se esqueceu de que eles trabalham para gente cujo objetivo primário não é salvar a humanidade – é lucrar!

Quantas vezes eles já se contradisseram? Quais os reais níveis de eficácia da solução que estão te vendendo? Existe mesmo cura para algo tão antigo sobre a face da terra quanto os mamíferos, ou vamos passar a depender deles ano após ano?

Será que não estamos diante de mais uma etapa do processo de seleção natural e conseqüente evolução humana? Será que buscar adaptação não seria mais inteligente que tentar combater?

Não lhe incomoda que pessoas – seres iguais a você – estejam apanhando da polícia por saírem pra passear com o cachorro, senhorinhas sendo estranguladas por policiais em praças publicas e os mesmos policiais fiquem por horas tomando conta de praias para impedir acesso de surfistas enquanto nas ruas pessoas são assaltadas e mortas por falta de proteção?

Não é estranho que igrejas (a maioria caça-níqueis) possam funcionar enquanto bares, lanchonetes e lojas diversas (geradoras de empregos) tenham de ficar fechadas.

Que dizer da miséria que se impõe ainda com mais força sobre aqueles que sob o toque de recolher imposto em diversas cidades ficam impossibilitados de trabalhar. Cito: catadores de papel e garotas de programa que geralmente trabalham á noite. Parece brincadeira, mas não é!

Estamos todos com medo de morrer e talvez faça sentido, pois a maioria das religiões diz que iremos pro colo do Diabo ou pros braços idosos de Deus. Mas pensando bem talvez tenhamos problemas, mais objetivos. Talvez daqui a alguns dias tenhamos de decidir se aceitamos; se nos basta sobreviver ou se queremos viver e viver com um mínimo de dignidade.

Estas podem ser as palavras de um louco! Eu poderia citar uma porção de loucos bem lúcidos de nossa historia, mas prefiro desejar que queiramos não apenas o pão, mas que possamos escolher o pão que queremos e que não aceitemos o circo do jeito que eles fizerem. Que possamos decidir se vamos ou não sorrir daquilo que achamos que possa ou não ser palhaçada.

Dizem os evangélicos que John Lennon foi assassinado por ter afirmado que os Beatles estavam mais famosos que Jesus. Ouso dizer que desde março de 2020 esse tal de Covid-19 está bem mais falado que o J.C.  Nem todos nesse planeta conhecem o barbudinho de Nazaré, mas todos conhecem  a gripe Chinesa.

Não sei o quanto o J.C. é vaidoso e vingativo, mas…
E aí menino Jesus, qual a demora para executar o Covid? Ou faz alguma coisa ou vai amargar o segundo lugar dentre os nomes mais falados. Só Jesus Salva! (?)

Repito: estas podem ser as palavras de um homem louco, ou simplesmente entediado!

 

Be First to Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.