Peça Transpondo Mares e Sertões mescla poesia e dança para abordar questões étnico-raciais e sociais

Peça Transpondo Mares e Sertões mescla poesia e dança para abordar questões étnico-raciais e sociais

04/06/2022 0 Por Mariana Mascarenhas

Foto de Zé Amaral

Espetáculo propõe uma releitura do Modernismo, a partir da arte produzida pelos artistas da periferia

Entre os dias 9 e 30 de abril, um movimento híbrido de dança, poesia e performance prenderá olhares em alguns espaços culturais de São Paulo, ao despertar a conscientização do público para questões da formação étnico-racial e social brasileira, a partir da Zona da Mata Pernambucana. Trata-se do espetáculo Transpondo Mares e Sertões que aborda, entre outras questões, a migração nordestina para o sudeste na década de 50.

A obra é fruto das experiências artísticas vivenciadas pela educadora Natália Santos, diretora, dramaturga e uma das atrizes do espetáculo, junto a Nilton Junior, fundador do grupo Coco de Toré Pandeiro do Mestre e também dramaturgo da peça.

Apresentado e produzido pela Companhia Canto de Omiô, o espetáculo é dividido em cinco atos e traz como referências as danças indígenas, danças cigana, danças afro-brasileiras e a evolução desses bailados para as danças populares como caboclinho, cavalo-marinho e coco de roda. A obra também nos mostra as formas de resistência cultural que esses bailados encontraram dentro da estética dos passos do funk carioca, brega funk, etc. sem deixar de abordar, criticamente, os processos de apagamento identitário e de atualização das formas de escravização ao longo da história do país.

Transpondo Mares e Sertões é uma peça toda pensada por artistas das periferias, afinal, nós somos moradores de regiões periféricas, produzindo e consumindo arte das nossas quebradas. E, neste ano em que celebramos 100 anos da Semana de Arte Moderna no Brasil, a escola artística em que foi rompida a mitificação de separação entre o popular e o erudito, viemos colocar um outro ponto importante que talvez tenha faltado há 100 anos”, afirma Natália Santos.

Para Natália, a peça propõe uma releitura do Modernismo que vai muito além do movimento antropofágico de Oswald de Andrade. “Não ‘deglutiremos’ a ideia de alguém para que possamos externalizá-la, nós falaremos sobre nós mesmos.” Afinal, de acordo com a diretora, o discurso proferido sobre Modernismo há 100 anos não era vivenciado por quem falava a respeito, ou seja, não havia o lugar de fala. “Agora, nós estamos nesse lugar, produzindo um pensamento crítico sobre a nossa leitura da realidade, não como objetos de pesquisa, mas como protagonistas de nossa própria história, ou seja, são os artistas sobre quem se falava há 100 anos, que estão produzindo cultura hoje”, conclui.

Sobre a Companhia Canto de Omiô

Fundada em dezembro de 2018, na Ocupação Cultural Mateus Santos, a Companhia Canto de Omiô, nome que faz referência às iabás das águas, divindades femininas do panteão iorubano, se apresenta como um projeto de estudo e desenvolvimento das artes indígenas, afro-brasileiras e das manifestações da cultura popular tradicional por meio da oralidade e da dança, mas é o reencontro de cada integrante com as próprias raízes o principal objetivo das atividade e é nessa caminhada pela busca e conexão com a ancestralidade que surge o espetáculo de cenopoesia Transpondo Mares e Sertões.

Ficha técnica:

Companhia Canto de Omiô

Transpondo Mares e Sertões

Elenco:

Yasmin Riso

Keithy Alves

Natália Santos

Percussão e Sonoplastia:

Fernando SD

Pablo Paternostro

Dramaturgia:

Nilton Junior e Natália Santos

Direção e concepção artística:

Natália Santos

 

LOCAIS E DATAS:

09.04 às 15h – Casa de Cultura Raul Seixas: R. Murmúrios da Tarde, 211 – Jose Bonifacio, São Paulo – SP

09.04 às 19h – Teatro Flávio Império: R. Prof. Alves Pedroso, 600 – Cangaiba, São Paulo – SP

10.04 às 15h – Casa de Cultura da Vila Guilherme: Praça Oscar da Silva, 110 – Vila Guilherme, São Paulo – SP

29.04 às 16h – Casa de Cultura São Rafael: R. Quaresma Delgado, 354 – Jardim Vera Cruz (Zona Leste), São Paulo – SP

30.04 às 15h – Casa de Cultura de Guaianases: R. Castelo de Leça, s/n – Jardim Soares, São Paulo – SP

Entrada gratuita (Os ingressos devem ser retirados 30 minutos antes do início do espetáculo)