Por: Marcos Rodrigues – 22/04/2019

De acordo com os dicionários médicos, anestesia é a “suspensão geral ou parcial da sensibilidade, espontânea, em decorrência de problemas neurológicos, ou induzida por um agente anestésico”. Sob os efeitos do anestésico, o indivíduo pode ser submetido ao mais agressivo procedimento e isso absolutamente será ignorado por ele.

Graças aos poderes da anestesia é possível realizar-se desde tratamentos dentários a até amputações de membros ou transplantes de órgãos sem causar quase nenhum sofrimento ao paciente. Mesmo quando permanece acordado poderiam lhe repartir em pedaços e isso não o incomodaria.

Nos dias atuais a maioria de nós tem agido mais ou menos como o paciente num processo operatório sob os efeitos de uma anestesia local. Ou seja, ele está acordado, mas não sente dor. Caso o cirurgião o provoque ele poderá responder a eventuais perguntas, mas no geral fica alí passivo diante de tudo.

Nos últimos dias ouvimos falar de censura como quem ouve falar de algo que pode atingir aos nossos vizinhos, mas que jamais chegará até nós. Revistas, jornais e até um ex-presidente encarcerado experimentaram o sabor de uma velha ferramenta muito utilizada na época da Ditadura Militar.

Num país onde é comum programas de televisão entrevistarem criminosos de alta periculosidade, foi ridículo ver um preso político – ou político preso, como queira – ser impedido de manifestar seus pensamentos.

Depois de alguns anos valorizando as diversidades e pregando-se o respeito pelas minorias e defendendo-se ideias sobre reparação, de repente demos passos para trás.

Num abrir e fechar de olhos elegemos como nossos campeões aqueles que em seus discursos apresentaram total desprezo pelas minorias, por temas sobre igualdade racial e desrespeito a diversidade religiosa. Sim. Eu falo de Bolsonaro, nosso presidente e de Paula von Sperling, nossa “guerreira” recém eleita campeã de um reality show.

Criticamos a suposta “ditadura gay” e o viciado comportamento coitadista dos grupos de interesses dos pretos, dos povos indígenas e movimentos sociais.

Mas não percebemos que aos poucos estamos mergulhando num governo teocentrista onde deus é alternado entre o ego dos governantes e fragmentos oportunamente apresentados de uma religião que deseja se impor  sobre as demais.

Deveríamos nos lembrar que quando deus está no centro dos governos o mundo se torna um inferno com santas inquisições e homens bomba. O deus de muita gente manda desde chutar santas e pichar casas de candomblé a até apedrejar garotinhas paramentadas de filha de santo.

Se você pesquisar, vai descobrir que durante a Ditadura Militar emissoras de televisão como Globo e SBT cresceram apresentando editoriais favoráveis ao governo ao passo que outras de oposição como Tupi e Excelsior tiveram suas concessões canceladas após anos de sofrimento com toda sorte de perseguições.

Ocorreram dias em que pessoas que pensavam ou acreditavam em coisas diferentes das “verdades” dos poderosos eram queimadas vivas em praças lotadas de espectadores. Houveram tempos recentes, em que aqueles que ousavam contradizer nossos governantes eram sequestrados de suas casas de madrugada, torturados e não raramente desapareciam para sempre.

O triste é que essas coisas aconteciam e quase ninguém ficava indignado.

Pois bem. Quando pessoas começam a serem fuziladas por militares em via pública e em plena luz do dia e meu chefe de Estado diz que não houve nada, como se menos que ratos tivessem perdido a vida, algo me diz que deveríamos ficar em estado de alerta.

Quando homens que se dizem patriotas começam a bater continência perante a bandeira doutras nações, você deveria estar muito desperto, pois, talvez tenham lhe enganado com esse papo de patriotismo.

Mas por que será que não estamos atentos? Por que será que não manifestamos nossa insatisfação?

Em sentido figurado anestesia também é “estado de impassibilidade, apatia, desinteresse.”

Talvez seja esse o mal do qual estamos vitimados. Estamos tomados de total indiferença pelas mazelas que batem a nossa porta. Que se danem as explicações!

Ninguém quer se admitir enganado.

Mas já dissemos que quando Dilma saísse do poder e o Temer assumisse, o Brasil voltaria a crescer. Não cresceu. Pelo contrário, encolheu mais ainda.

Acreditamos que quando Lula fosse preso a corrupção acabaria, mas depois descobrimos que ela começou na Ditadura Militar e continua mais saudável que nunca mesmo depois do Lula preso.

Muitos pensaram que elegendo o Messias teríamos abertas as portas do paraíso, mas ao contrário disso, quem teve as portas do paraíso abertas para fazer o que bem entenderem foram os norte americanos.

O processo de retirada das partes de nosso corpo já começou.

Aos poucos eles estão nos tirando o direito de envelhecer com dignidade, de saber se podemos ou não nos expressar livremente.

Pouco a pouco estão nos dizendo que nossas vidas não valem nada e que nossos filhos poderão ser escravos modernos trabalhando apenas pelo direito de comer e vestir miseravelmente.

Mas e você? Vai continuar anestesiado?

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.