Escuto uma voz a noite, feminina.

Que me ensina passagens secretas e coisas que eu não consigo entender.

Ela sopra suave no meu ouvido me dizendo o que fazer.

Em um linguajar desconhecido que eu só posso compreender.

 

Escuto a noite uma voz feminina que me deixa muito feliz.

Encantado. Trágico! Bem perto dos astros.

Quando a sua voz sopra sinto os deuses circundando o meu quarto.

Perambulando pelos aposentos.

E minha mente fica vazia.

Nenhum pensamento me invade a cabeça neste momento.

E eu apenas percebo.

É um momento único e raro sempre narrado pela formosa voz.

Que me empurra mais e mais neste ritual.

Que me deixa contente por vários dias.

Como efeito do acontecido.

Distribuo aos outros toda esta alegria.

Que me contagia e me inebria.

 

Infeliz de mim quando eu durmo sem a saudosa voz.

Minha mente fica lixiviada e atolada em pensamentos incoerentes e absurdos.

E nos dias seguintes fico vagando pelas ruas seguindo as direções que não existem.

A noite faço bobagens e passo medo.

Papo sereno.

Sem saber o por quê ou o quê.

 

Desafortunado de mim quando eu durmo sem a divina voz.

Eu só durmo.

Texto, Autoria e Criação: Márcio Ribeiro

Data: (01/03/03)

Imagem: Pixabay

Todos os direitos reservados

ogaroca@bol.com.br