Para que me serve a psicanálise?

Para que me serve a psicanálise?

02/14/2022 0 Por jotafagner

Há alguns meses, o professor Carlos, um queridíssimo colega lá da Escola Amaral Wagner, sugeriu que eu me matriculasse no curso de psicanálise. Disse que combinava com o meu perfil. Contou-me que ele próprio desejava ingressar na área, faltava só resolver algumas pendências pessoais.

Fiquei pensativo. Já havia me interessado pelo campo algumas vezes no passado, mas sempre desistira porque tinha medo de me tornar aquele tipo de pessoa que fica analisando e julgando os outros, com aquele ar de superioridade injustificada.

De qualquer modo, considerei que essa poderia ser uma boa oportunidade para melhorar meu texto. Nunca fui de escrever ficção, mas considerei que, agora que estou na casa dos 40, seria uma boa hora para começar. Estudar psicanálise poderia dar certo embasamento para a criação dos personagens.

Cheguei a conversar ao telefone com a minha irmã sobre o assunto. Por ter cursado psicologia, imaginei que ela seria a pessoa certa para me orientar. Ela disse que, se o que eu estava procurando era melhorar o texto através do estudo de arquétipos, o ideal seria tentar outra área. “Freud não trabalha com arquétipos, Jung sim. Mas você não tem o perfil de quem se daria bem com Jung”, alertou ela.

Ela estava correta, mas eu teimei e comecei o curso mesmo assim. Findo o primeiro semestre, noto que estou me tornando aquele que não desejava ser. Fico reparando na intencionalidade de cada frase dita em público ou no particular, em cada mensagem de WhatsApp, em cada tentativa de construção de uma narrativa.

Curiosamente, o peso maior do julgamento recai sobre mim mesmo. Será que eu também faço esse tipo de coisa? Será que eu também digo esse tipo de coisa? Será que eu também me comporto dessa forma? Algumas cenas do passado começam vir à tona e eu começo a sentir vergonha de algumas coisas que fiz no passado e de outras que ainda faço atualmente.

Comecei a me podar, a respirar fundo antes de dar uma resposta, a considerar a intencionalidade do meu interlocutor, a perceber que a vaidade pode ser um pedido de socorro, a entender que, mesmo não tendo nada, posso causar inveja em algumas pessoas que se consideram menos afortunadas que eu.

Resultado, o curso não está servindo para aquilo que eu queria, mas está me dando uma melhor compreensão de quem eu sou, simplesmente por me permitir entender melhor o outro.

José Fagner Alves Santos