“Meu caro amigo.
Queria tanto lhe falar, mas a internet andou arisca.
Se me permite eu vou tentar fazer um segundo coito, digo: Lhe remeter!
Notícias de gente fresca nesta escrita.”

Escuta esta, amigo Fagner e aos amigos do amigo:

Nosso estado é laico, mas as mulheres vestem laicra. E rosa.
A ministra é evangélica com idéias cadavéricas. Ou morta.
Nossa conversa esquelética é cética. E torta!
Diferente do ex, temos um presidente que é palmeirense. Da porca.

Rima, rima, rimou…?

Os meninos vestem azul e querem tomar “no copo”
Enchem a cara e enxergam o nada…
Cheios de chagas chatas, pelo corpo;
Andam cheirando e chorando gemem…
Andam sem jeito, sem beijo nem no peito. Pasmem!

“Pois os bonitinhos estão virando “viadinhos”;
Enquanto os “feinhos viram bandidinhos?”

Rima, rima, rimou?

O braço da menina está igual ao tronco da brejaúva.
E passar a mão na escova é igual alisar a capa de tucum:
Mais grosso que o meu bigode.
Vemos preconceito por aqui;
Também por ali, por lá e por acolá.
O preconceito está em toda a parte;
E os conceitos estão com seios sem anseios.
Tudo muda até bermuda, menos o Brasil, que continua mesmo sem futuro.
Brasil virou uma piada ao ar livre.
Pois sou brasileiro que veio da Volta da Mata

Cada frase do Bolsonaro é uma risada.
E no bolso dos bolsominions naro. Quer dizer: Nada!
O meu também está vazio…
Somos ovelhas que votamos no lobo por que ele é honesto.
Na campanha prometeu fuder todo mundo.
E cumpre com vigor e afinco.
Afinca sem vaselina.
É mole e não sobe.
Tentando fazer graça no país da piada pronta.

“É que a coisa aqui está mesmo preta
Muita mutreta pra levar a situação
Vamos levando de teimoso e de pirraça
Vamos tomando e também sem a cachaça
Ninguém segura este rojão”

Rima?

Mas isto é mesmo coisa de bobão!
Melhor ser um bobão do que um bo-ruim.
Tá tudo com bolor por que mofo deu…

E o Dória?
Se eu não fosse paulista teria dó e ria.
Mas como sou tenha dó e dói…
Ração humana para os pobres.
Raça humana jaz podre!
Ao menos os pets atendem melhor que a Upa.
Pelo direito de cuidar da nossa saúde em um pet!

Falar em pet lembrei que o PT deu perca total. Será?
Brasileiro toma pedrada no peito e olha pra trás pra ver quem atirou.
Engole o gelo e fica preocupado por não ter visto sair.
A coisa está mesmo preta e já é hora de me “despir”.

“Muita cara feia pra engolir a transação
Vamos engolindo sapos no caminho
Vamos se amando, pois sem um carinho
Ninguém segura este rojão”

Ri…?
Xau!

 

Trechos baseados na música: Meu caro amigo (Chico Buarque / Francis Hime)

Criação e Autoria: Márcio Ribeiro

Imagem: Jota Fagner

Contato: [email protected]

todos os direitos reservados

Publicado originalmente na edição 08 da Revista Editoria Livre. Acesse a edição no link https://editorialivre.com.br/revista-editoria-livre-08-para-download/

There are currently no comments.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.