Escrita por um dos maiores dramaturgos brasileiros, famoso por escrever peças polêmicas, onde os personagens expõem as feridas mais agudas e pesadas da sociedade, Nelson Rodrigues, a peça Toda Nudez Será Castigada convida a plateia a fazer uma profunda reflexão do ser humano, despido de sua camada de superficialidades, chegando ao íntimo do inconsciente habitado pelos mais perversos pensamentos e habilidades.
A peça narra a história de um viúvo chamado Herculano (Leonardo Ventura), que se apaixona pela prostituta Geni (Ondina Clais Castilho), com quem vive uma conturbada relação de amor, sexo, aproximação e distanciamento ao mesmo tempo. Os dois pretendem se casar, mas para isso terão de lidar com um grande entrave que é o filho de Herculano, Serginho (Lucas Rodrigues), um garoto que tem aversão ao sexo e fez seu pai lhe prometer que não se envolveria com mais ninguém depois de ficar viúvo.
Três tias solteironas e de ideologias extremamente puritanas passam todo o tempo ao lado do garoto influenciando sua mente ainda mais, para que Herculano jamais ao menos olhe para outra mulher. O viúvo ainda não contava com as artimanhas de seu irmão Patrício (Marcos de Andrade) – um homem de presença, cuja aparência esconde uma gigantesca hipocrisia dentro de si – que no fundo queria ver Herculano destruído. De olho na riqueza financeira do irmão, Patrício faz de tudo para prejudicá-lo de modo sutil sem que ele perceba.
Com a direção do talentoso Antunes Filho e elenco pertencente ao Grupo de Teatro Macunaíma, a peça segue a linha original rodriguiana e tem como destaque a atuação da atriz Ondina Clais, quem confere uma vivacidade estupenda ao seu personagem, de modo a reduzir a presença em cena de outros atores em alguns momentos.
Não há como não perceber a “mão rodriguiana” presente em palco durante os 60 minutos de espetáculo. A exposição íntima e reveladora dos personagens revelam as fraquezas mais árduas e provocantes do ser humano, capazes de ferir e dilacerar almas, apenas intensificando o gênero tragédia da peça. Vale ressaltar o fato da personagem de Geni ser representada, nesta direção de Antunes, como um fantasma, exteriorizando a representação de seu subconsciente.
Uma mescla de sentimentos e angústias forma uma história que trabalha o maniqueísmo e nos convida a refletir as ambiguidades apresentadas pelo autor. Durante a apresentação é possível fazer uma análise invasiva do inconsciente despido de todas as superficialidades, que dominam o consciente do ser humano, revelando seu verdadeiro eu.
Em 2012 Nelson Rodrigues completaria 100 anos. Suas obras continuam e certamente continuarão por muitos anos a serem encenadas, lidas e analisadas por gerações de todo o mundo.
Toda Nudez Será Castigada permanece em cartaz até 3 de março no SESC Consolação em São Paulo.
Por Mariana da Cruz Mascarenhas