Nossos políticos é que deveriam trabalhar pelo povo!

Eles estão prestes a autorizar um empreendimento que vai acabar com o ar puro da cidade para sempre e modificar Peruíbe como a conhecemos.

Diante disso, você ainda está preocupado com algumas pichações?

Passeatas, manifestações, reuniões e outras ações parecem que não surtiram o efeito desejado e não encontraram ouvidos lá pelos lados da prefeitura, mas algumas pichações, onde se lê Usina Não, sim! Elas estão sendo usadas para marginalizar ambientalistas e desarticular o movimento contra a termoelétrica.

Aparentemente  o amor pela cidade e algum sentimento ambientalista foi despertado naqueles que apoiam a termoelétrica. Agora, dizem pensar no meio ambiente!

Quem tem a obrigação maior de fazer as coisas direito é o poder público. Eles estão com o nosso dinheiro e devem representar a população. Não estão lá para fazerem a vontade deles. Se a comunidade diz que não quer, o mínimo que eles devem fazer é escutar.

Qualquer grupo  tem a liberdade de protestar com as ferramentas que possui e arcar com as consequências de seus atos: Socialmente e criminalmente;

Vale lembrar que quem protesta sofre com a omissão de informações, luta pela cidade de forma voluntária, não recebe dinheiro algum por isso, representam a si mesmos e não tem a mesma obrigação que a prefeitura.

É errado pichar? Sim! É uma poluição visual? Talvez!

É uma hipocrisia por parte daqueles que defendem a termoelétrica reclamarem das pichações em nome do meio ambiente.

Pessoas que defendem a poluição eterna da termoelétrica não deveriam criticar a poluição temporária de um grafite.

Não foi atuando de forma politicamente correta que direitos foram conquistados no Brasil.

E se as reclamações de ambas as partes tiverem relação com o meio ambiente e as pichações ajudarem a barrar o projeto, definitivamente as pichações valeram a pena! 

“A pichação nasceu durante a ditadura, como forma de protesto. Não surgiu querendo agradar”,

Link Roots, pichador da capital, em protesto ao Dória.

Autoria e Texto: Márcio Ribeiro

Foto: Márcio Ribeiro

Maio de 2017 – Todos os direitos reservados

[email protected]

MTB: 0078407