Dirigido pelo inglês Mike Newell, de Harry Pottter e o Cálice de Fogo(2005), Amor nos tempos do Cólera (2007) e O Sorriso de Mona Lisa (2003), Príncipe da Pérsia consegue centrar a atenção dos espectadores mas sem a devida dramatização e intensidade para que se possa acreditar que a história realmente se passe na região equivalente a antiga Pérsia com a caracterização física e emocional da época.

 

A história traz as aventuras vividas pelo príncipe Dastan (Jake Gyllenhaal – O Segredo de Brokeback Mountain), órfão e filho adotivo do rei Sharaman que o acolhe quando criança por sua coragem e bravura, para viver no palácio juntamente com os dois filhos legítimos do soberano. Com o passar dos anos, Dastan – já crescido e agora interpretado por Gyllenhaal – se envolve em uma armadilha e acaba sendo acusado de assassinar o pai. Para que o problema seja resolvido, Dastan terá que passar por uma série de situações envolvendo uma importante adaga que tem o poder de voltar no tempo.

 

Com um cenário digital, o filme vale pela interpretação dos personagens (que conseguem viver muito bem a situação mas sem o peso devido da época) e pelo desenrolar de ações que acabam por prender a atenção.