Em dezembro, acontece em São Paulo a tradicional corrida de São Silvestre, que atrai atletas do mundo todo e prende a atenção de muitos brasileiros. E para entrar também nesta disputa, O GAROÇÁ corre através da história e traz informações do primeiro campeão. Saiba quem ele é correndo os olhos com atenção nos parágrafos abaixo.

O primeiro campeão da São Silvestre foi Alfredo Gomes, em 1925, há 93 anos.

De acordo com a Revista Placar, Gomes tinha uma casa em Itanhaém, mas há indícios de que ela ficava mesmo em Peruíbe que, na época, ainda não havia se emancipado do município vizinho.

Alfredo Gomes nasceu no dia 16 de janeiro de 1899 e faleceu no dia 17 de março de 1963.

Antes de vencer a corrida, carregou a bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão, em Paris, no ano de 1924. Lá ele participou da prova de cross-country, mas não concluiu o percurso, pois a prova foi disputada sob severas condições de terreno e climáticas, tendo sido concluída por apenas 15 participantes.

Como corria pelo Clube Espéria, com sede em São Paulo até os dias de hoje, a reportagem de O GAROÇÁ entrou em contato, mas não obteve mais informações.

A CORRIDA DE 1925

Para se tornar campeão, Gomes concorreu com 146 atletas e fez em menor tempo os 6.200 metros, com 23 minutos de 10 segundos.

O regulamento premiava com medalhas os 25 primeiros, mas para ter o nome incluído na lista de classificação era preciso chegar até cinco minutos do campeão.

A corrida foi promovida por Cásper Líbero, que fez uma viagem a Paris e de lá voltou maravilhado com uma corrida que acontecia à noite, em que os corredores carregavam tochas ao longo do percurso. Por conta disso, o horário de largada da primeira edição brasileira foi às 23h40, na Avenida Paulista, onde 60 atletas concluíram a prova. Entre os anos de 1925 e 1944, era disputada somente por brasileiros e a corrida foi batizada em homenagem ao santo do dia.

EM PERUÍBE

Você sabia que há uma rua em Peruíbe que homenageia Alfredo Gomes? Ela está localizada no Centro da cidade, onde fica a E.E. Prof Ottoniel Junqueira, antigo Pronto Socorro e a abortada Maternidade.

O Repórter de O GAROÇÁ morou nesta rua por muito tempo, fato que o motivou a realizar a pesquisa.

Reportagem e Pesquisa: Márcio Ribeiro

Pauta: Márcio Ribeiro

Foto: Acervo/Gazeta Press

Agradecimentos: Marcos “Perna” Lima

Fonte: Clube Espéria / Revista Placar / site da  São Silvestre.

Postagem: O Garoçá

Histórias de Peruíbe só O GAROÇÁ sabe contar”

ogaroca@bol.com.br