O Garoçá participou da segunda edição do Fanzine Editoria Livre com um texto que fala sobre a ufologia na cidade de Peruíbe.

Veja o texto produzido pelo Garoçá:

Terráqueos procuram vida inteligente na Terra

Você é um ET?

Tem certeza de sua resposta?

Esta dúvida ficou aqui, nesta cuca não tão maravilhosa assim (parafraseando Roberto Carlos), após conversa com uma ufóloga em Peruíbe, Litoral Sul de São Paulo.

Quer saber mais? Então embarque nesta nave espacial e viaje junto com o Editoria Livre até a “A Terra da Eterna Juventude”, de acordo com o brasão local.

A cidade é calma e tranquila. Além das praias e cachoeiras da Juréia, existe algo mais que atrai O.V.N.I’s (ovni: objeto voador não identificado) e não se sabe o que é. Não há uma pessoa por lá que não tenha ouvido falar ou que não conheça alguém que tenha presenciado algo misterioso.

Para se ter uma ideia, e de acordo com um levantamento não oficial, são mais de 300 casos nos últimos 40 anos, o que dá uma média de sete aparições anuais.

Este número pode ser ainda maior, se entrarem nas estatísticas os casos de assombração ou as lendas locais, que também podem ser classificadas como aparições de um algum destes ETs olhudos. E olha que tem muita história bacana para aprender e ouvir.

É só chegar a um dos tantos hotéis ou pousadas espalhadas pela cidade, se acomodar e procurar conversar com os moradores mais antigos.

Foi pensando nesta possibilidade que a cidade resolveu investir no turismo ufológico, já que muitas pessoas procuravam e ainda procuram a cidade para saber mais deste assunto. Duas criações deram certo e existem até hoje: O Encontro Ufológico, que atrai estudiosos e curiosos de todo o Brasil e que em 2018 chegou a sua 13ª edição e a implantação do Primeiro Roteiro Ufológico do Brasil, iniciado em 2010, que passa pelos atrativos: A Pedra da Serpente, Praia do Guaraú, Barra do Una, Cachoeira do Perequê, Ilha Queimada Grande, Ruínas do Abarebebê, Bairro São José e Costão.

Com estas ações, a cidade passou a receber diversas pessoas de todas as partes do país e está se tornando cada vez mais conhecida.

Entre os casos mais famosos, três tiveram destaque nacional:

Em agosto de 2008, uma grande marca apareceu em um terreno baldio da noite para o dia, no Bairro São Jose, afastado do Centro e com bastante mato. Na noite do episódio, vizinhos disseram que faltou energia nas casas, o que facilitou a visualização de estranhas luzes no céu. Havia também um barulho semelhante ao de uma moto serra. Um poste fincado perto das taboas (planta do brejo) amanheceu com marcas de queimaduras. O que será que fez a marca no terreno do Bairro? Isso ninguém sabe, mas o que se viu foi um bando de pessoas se dirigindo ao local para tentar responder a esta questão. Até hoje, 10 anos depois, o local ainda recebe visitas…

Assim como no caso anterior, outra marca apareceu no Bairro São João Batista, em outubro do ano passado, com algumas características semelhantes, como o barulho estranho e a falta de energia elétrica. O que estava diferente entre elas era o formato das marcas no chão, pois enquanto no São José o mato amassado era redondo, no São João Batista o formato do “pouso” era triangular. O assunto logo virou polêmica na cidade, entre os que acreditam e os que desdenham. A mídia regional deu espaço para a notícia e até o programa Fantástico, da TV Globo, deu visibilidade ao assunto convocando o “Detetive Virtual”, quadro que procura desvendar mistérios que circulam na internet. De acordo com o programa, não há nada de extraordinário no terreno do bairro e o episódio recebeu do programa o rótulo de “Mentira”, o que acabou com a credibilidade. Do Fantástico, é claro.

Em dezembro de 2013, um motorista fotografou luzes estranhas atravessando uma rodovia na cidade, quando ele vinha da vizinha Itariri, tarde da noite. Na foto, as estranhas luzes parecem ter formas, cabeça, orelha e nariz. No dia, o sinal de telefonia celular caiu em toda Baixada Santista. Será que eram mesmo os Ets? Por que estariam imitando a famosa capa do disco dos Beatles? O que se sabe é que a matéria foi bem visualizada no Editoria Livre e ainda está disponível nos arquivos do site para quem quiser dar uma checadinha.

Quanto às lendas, um das mais famosas é a Lenda do Tucano de Ouro. Uma grande bola de fogo cruza o céu da Juréia, entre o Morro do Pogoçá e o Morro de Peruíbe. Dizem que quem visualiza, fica feliz por vários dias e ela aparece de sete em sete anos. Poderia ser uma nave!

O local mais famoso é a Porta de Pedra ou Portal da Serpente. Uma rocha localizada na estrada do Guaraú que possui o desenho no formato de uma porta. Algumas pessoas percebem que ela é oca ao bater na entrada com a mão, fato não comprovado pela reportagem deste fanzine. Moradores antigos relataram que a Porta ficava aberta em determinados dias e um homem alto e loiro olhava a cidade lá de cima, já que o local possui uma boa vista para o mar e as Ilhas, inclusive a das Cobras. Há uma ilha em Peruíbe onde vivem as perigosas Jararacas Ilhoas, um tipo de cobra venenosa que só existe neste local do mundo. Estaria este tal homem loiro e as tais cobras raras protegendo algum portal?

Um caso recente também “bombou” no Portal do Editoria Livre. Três amigos foram pescar na Praia do Índio e perceberam uma pessoa encostada com o rosto voltado para uma pedra. Acharam a pessoa estranha e começaram a observá-la. De repente, aquele ser parece ter saído do seu “transe” e, como parecia ter uma cauda, foi pulando para o mar com o seu cabelo “rasta” e mergulhou rumo às profundezas do oceano. O caso ficou conhecido como a Sereia da Praia do Índio.

De acordo com a ufóloga entrevistada, Peruíbe possui um vórtice de energia muito forte e é considerada como um portal para outros locais do mundo, como se fosse um “aeroporto doméstico”, que pode levar os viajantes para outros locais da Terra, enquanto os “aeroportos internacionais”, como os das pirâmides do Egito, por exemplo, podem realizar embarques para qualquer lugar do universo.

Ainda com a ufóloga, ela disse concordar com o bordão “eles estão no meio de nós” e disse que é fácil identificar alguns que estão por aí, pois eles possuem olhos parecidos com os do gato. Antigamente, eles disfarçavam mais em suas andanças pelo planeta, mas hoje, a humanidade está tão perversa que não tem qualquer sensibilidade para perceber qualquer fenômeno mais simples, tanto é que eles não precisam disfarçar tanto assim. Eles estão por toda a parte, principalmente governando as principais nações do planeta.

Diante destas explicações, a reportagem fez a seguinte pergunta a ela: Quem garante que você não é uma ET? Quem sabe eu não estou conversando com um ser extraterreno, hein, dona ufóloga? Diz aí?

Para a surpresa e espanto, ela inclinou o corpo da cadeira onde estava, olhou dentro dos olhos do repórter, de tal maneira que fez arrepiar até os pelos próximos do osso coccígeo, e respondeu:

 E quem disse que nós não somos?

Márcio Ribeiro é caiçara e formado em Jornalismo pela Universidade Católica de Santos.Tem uma forte ligação com o lugar onde mora, por isso atua também na área de turismo, utilizando-se dos cursos de Técnico em Turismo (ETEC Centro Paula Souza), Monitor Ambiental (Instituto Florestal do Estado de SP) e Técnico em Lazer e Recreação (Senac Sorocaba). Sua principal ocupação é como funcionário público estadual, mas escreve para o Garoçá para exercitar o jornalismo. Antes dele, fundou o Jornal Bem-te-vi, onde atuou nos três primeiros anos do Impresso. Desde o ano passado, O Garoçá passou a integrar o site do Editoria Livre, no qual, agora, ele está perfeitamente inserido. Seu principal objetivo com a escrita é trazer um texto bom e atraente para quem quiser ler, seja lá qual assunto for. Acredita que qualquer assunto pode ser lido de forma prazerosa se ele for bem escrito.

Em breve, a terceira edição do Fanzine Editoria Livre deve sair do forno.

A Segunda edição pode ser baixada e lida acessando a seguinte publicação

Segunda edição do fanzine Editoria Livre

Texto: Márcio Ribeiro

Imagens: G1 / O Garoçá / Prefeitura de Peruíbe

Contato: ogaroca@bol.com.br