Publicado em 15 de dezembro de 2015 

Por Mariana da Cruz Mascarenhas 

Já imaginou presenciar um encontro nada convencional entre um dos cangaceiros mais famosos do Brasil e um dos grandes cavaleiros ingleses da época medieval? Pois fantasia e realidade se misturam magicamente para proporcionar este choque de mundos no palco do Teatro do Sesi no espetáculo musical Lampião e Lancelote.

Adaptação do livro de Fernando Vilela feita por Braulio Tavares e direção de X a peça narra as histórias de Virgulino Ferreira da Silva, conhecido como Lampião, o Rei do Cangaço – que atuava pelo nordeste brasileiro junto com seu bando e sua esposa Maria Bonita, eliminando os inimigos que cruzassem seu caminho – e Lancelote – um dos maiores Cavaleiros da Távola Redonda na lenda do Rei Arthur – quando seus caminhos se cruzam.

Após uma magia feita por uma feiticeira, Lancelote vai parar numa região completamente desconhecida para ele, “nem feia, nem bonita” em suas próprias palavras: o sertão nordestino, onde ele ficará cara a cara com o Lampião, numa espécie de duelo entre figuras tão distintas e ao mesmo tempo tão parecidas no que tangue a bravura e o instinto guerreiro de cada um para proteger seu povo.

A alternância de cenários e principalmente o fato dos diálogos acontecerem em forma de repente do começo ao fim da peça contribuem para enriquecê-la enaltecendo a cultura brasileira e sua diversidade.

Agora deixemos de lado o sertão nordestino e nos transportemos para a Idade Média, quando muitas guerras conturbavam a humanidade, que, por outro lado, tinha as artes cênicas como ferramenta fundamental para entreter e levar esperança aos povos. Um período cujas peças se firmavam sobre as sagradas escrituras e a vida dos santos. É justamente este o contexto abordado no espetáculo Mistero Buffo, também em cartaz no Teatro do Sesi, mas de modo satirizado.

Escrito pelo grande dramaturgo e ator italiano Dario Fo, com direção de Y, a peça aborda de forma muito inteligente e cômica os perigos da espetacularização do cristianismo em quatro histórias retiradas da obra original: A Ressurreição de Lázaro, O Cego e o Paralítico, O Louco e a Morte e O jogo do Louco aos Pés da Cruz.

Integrantes da Cia. La Mínima, os atores Domingos Montagner e Fernando Sampaio encaram diferentes personagens, sob o fundo musical produzido por Fernando Paz, mesclando comédia e elementos circenses numa composição perfeita de movimentos corporais muito bem delineados – que por si só transmitem com clareza ações e personagens que não vemos mas são traçados pelos gestos do elenco.

Um pedinte de esmola paralítico que não quer ser curado por Jesus, para não precisar trabalhar, um louco que não entende o sacrifício de Cristo pelos povos, já que estes, tomados pela ganância, só pensam em posses, são algumas das situações que compõem a crítica da peça ao materialismo humano e a distorção da própria fé.

Mistério BuffoLampião e Lancelote fazem parte da mostra de espetáculos que voltaram em cartaz como parte das comemorações dos 50 anos do Teatro do Sesi e que se encerra neste domingo (20/12).