Juro por Apolo, Eros, Atena, Afrodite e Morpheu,
Ajudar àqueles que não necessitam de mim.
Aos que apenas se refugiam em seus “eu’ s”
E vivem, no início de cada dia, a iminência do fim.

Juro, tão solenemente quanto nego,
Abster-me a toda abstinência,
Renegar qualquer instinto de negação (a tudo me apego)
E revelar, em mim, a precaução antes da providência.

Juro não curar, mas orientar.
Não iludir; convencer.
Juro não jurar (eu juro),
Mas prometo ser mais que apenas ser.