Foto Jack Brandão 

Numa gostosa roda de samba montada em pleno palco de um dos principais pontos turísticos paulistanos, no coração de São Paulo – o Theatro Municipal – um seleto grupo de artistas, consagrados na música popular brasileira, se reuniu na noite desta última quarta-feira (31/01/18) para homenagear um verdadeiro ícone da música nacional: Adoniran Barbosa (1910 – 1982) e seus 40 anos de carreira artística.

Chamado de Adonirando, o show abriu oficialmente o Ano Adoniran Barbosa que, ao longo de 2018, contará com outras programações culturais voltadas ao cantor, entre elas uma exposição do seu acervo a ser inaugurada em breve.

O ator Cássio Scapin deu início ao evento interpretando o próprio Adoniran, declamando e cantando, ao longo do show, trechos de músicas do cantor.  Entre suas aparições, o público foi contemplado com sucessos diversos de Adoniran Barbosa  nas vozes de Luiza Possi, Baby do Brasil, Arrigo Barnabé, Carlinhos Vergueiro, Sabrina Parlatore, o tenor Jean William e muitos outros.

E, como não poderia faltar, o grupo Demônios da Garoa também marcou presença, cantando alguns sucessos, como Malvina, Joga a Chave Apaga o fogo mané, juntamente com a plateia, que não podia conter as vozes diante do repertório que marcou época.

Ao final, uma surpresa para os presentes que lotaram o Theatro Municipal: a Orquestra Bachiana Filarmônica SESI – SP, regida pelo grande maestro João Carlos Martins, levantou o público ao tocar Trem das Onze, na versão instrumental apenas e, a seguir, com a voz do grupo Demônios da Garoa, acompanhada de todos os demais presentes que participaram do show e da própria plateia, que também cantou esse sucesso, considerado identidade cultural de São Paulo.

Adonirando foi apresentado pelo radialista e jornalista Zé Luis e idealizado pelo comentarista esportivo Walter Casagrande Jr., que decidiu reunir um time de bambas para tal homenagem, mais do que merecida e bem preparada – diante do ecletismo de cantores talentosos que, ao seu modo, souberam trazer um pouco mais do brilhantismo daquele que é considerado o verdadeiro pai do samba brasileiro.